Professor português relata sua vivência na URSS durante seu desmembramento

Na noite desta quarta-feira, dia 13, o professor doutor português Francisco Teixeira Pinto Dias ministrou a palestra “União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS): uma experiência de vida” na Univates. Ele viveu na URSS durante o seu desmembramento e, durante a palestra, trouxe relatos dessa vivência.

Em sua fala, Dias explicou que não foi para a URSS por motivos puramente ideológicos, mas sim para estudar Bioquímica. No entanto, ao longo do tempo, mudou para a área da Psicologia. Ao relatar sua experiência no estado socialista, disse que seu primeiro choque, entre muitos, foi o gastronômico. “Moscou é uma cidade desumana, no sentido de ser sobre-humana, porque tem muita gente na cidade. Comecei a perceber que o maior ganho que eu tinha em estar na União Soviética era por estar em um país diferente e vivenciar outra cultura”, ressaltou o palestrante.

De acordo com ele, os russos possuem comportamentos extremos. “Outro aspecto importante dos russos é que é muito difícil saber o que eles realmente pensam”, destacou Dias. Sobre a questão do comunismo, o palestrante disse que ser comunista era uma questão de conveniência na URSS.

Dias falou que a primeira vez que retornou ao país depois dessa experiência, na década de 1980, foi recentemente. “A minha motivação pessoal foi tentar conhecer os russos pós-soviéticos”, explicou ele, acrescentando que os russos estão tentando recompor sua identidade. “As ideologias repetem do passado o que mais lhes convêm. É isso o que Putin está a fazer, está a reescrever a história”, afirmou.

Para o palestrante, o que unia os soviéticos era o inimigo externo, e o que une os russos continua sendo o mesmo. “Essa dicotomização de que ‘quem não está conosco está contra nós’ é um traço comum dos russos”, complementou.

Dias é licenciado em Psicologia pela Universidade Lomonosov, na Rússia, mestre em Psicologia Social pela Universidade do Porto, em Portugal, e doutor em Ciências do Turismo pela Universidade de Perpignan, na França. Durante mais de duas décadas, foi docente e investigador nas áreas da Psicologia Social em prestigiadas instituições de Portugal. Sua tese de mestrado foi publicada em livro, intitulado “Rumor – A realidade improvisada”.

O evento foi promovido pelo curso de História e pelo curso de pós-graduação, em nível de especialização, em Branding & Business da Univates.

Texto: Tuane Eggers

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *